Com um par de luvas e uma bolsa onde estão uma prancheta e folders de prevenção, o Gerente de Endemias, Leonardo Marques de Oliveira parte todos os dias a campo para uma luta que tem sido árdua: o combate à dengue, Zika Vírus e Febre Chikungunya. Ele é um dos 26 “soldados” do setor de Endemias que tem intensificado a guerra contra o mosquito Aedes aegypti em todo o município. A expressão “guerra” não é exagerada. A doença colocou Goiás em alerta ano passado, quando diversas cidades tiveram surtos de dengue. Embora o registro de casos em São Simão esteja longe de configurar uma ameaça, o número de focos do mosquito nos últimos meses colocou o serviço em alerta. E para erradicar o mosquito do território goiano, o governo de Goiás criou a força-tarefa ‘Goiás contra o Aedes’, que atuará até junho em todos os 246 municípios goianos. São Simão recebeu a primeira etapa da operação em janeiro passado, quando mais de 100 pessoas entre profissionais da saúde, voluntários e homens do Corpo de Bombeiros de Quirinópolis atuaram ativamente na ação, em todos os bairros da cidade. Hoje, terça-feira (23/02), o município recebe pela segunda vez a força-tarefa. A previsão é de que seja finalizada a visita em todos os imóveis do município para retirada de objetos que possam acumular água parada nas residências, lojas comerciais e terrenos baldios. A ação se concentra na Praça Cívica, em frente à prefeitura. A abertura das atividades contou com a presença do prefeito Dr. Márcio Barbosa Vasconcelos, do vereador Antônio Camilo, do Tenente Ferreira do Corpo de Bombeiros de Quirinópolis, secretários e servidores municipais. Dr. Márcio pediu a colaboração de toda a comunidade para que deixe os agentes entrar nas residências e fazer as vistoriais. “Vale lembrar a população que o esse é um trabalho feito em conjunto, e precisamos da colaboração de todos para alcançar o resultado esperado, que é manter o município livre do Aedes aegypti. Por isso, além de eliminar os focos da dengue, pedimos que recebam esses profissionais em suas residências”, destacou. Balanço O primeiro ciclo da força-tarefa Goiás contra o Aedes, realizada em janeiro, serviu de referência para o Ministério da Saúde, que enviou representantes a Goiás para conhecer a estratégia adotada. As equipes, compostas por agentes de endemias, agentes comunitários de saúde, bombeiros e voluntários visitaram 1.002.720 imóveis em todo o território goiano. Deste total, 762.563 foram devidamente vistoriados. Os demais 242.752, o equivalente a 24%, estavam com as portas fechadas. Nesta segunda etapa, as equipes, com a presença do fiscal de Vigilância Sanitária, têm o respaldo da medida provisória publicada em 1º de fevereiro no Diário Oficial da União, que prevê a entrada forçada de agentes públicos para o combate ao Aedes. Além disso, os fiscais de vigilância sanitária têm a seu favor a lei federal 6.437/77, que concede poder de polícia à categoria durante as inspeções. Máquinas pesadas Nesse segundo ciclo da ação Goiás contra o Aedes a Secretaria da Saúde firmou parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Científico, Tecnológico e de Agricultura, Pecuária e Irrigação para o uso da Patrulha do Desenvolvimento Regional, composta por maquinário pesado, para retirar os entulhos nos locais de difícil acesso. A Patrulha faz a remoção dos entulhos nas áreas de risco e transporte, limpeza de áreas urbanas e limpeza de córregos, bueiros e riachos. Os representantes dos municípios têm a tarefa de anunciar à população a data e horário em que o maquinário estará na cidade para que possa ajudar na remoção, além de deixar o entulho disponível para a retirada.