A Prefeitura através da Secretaria de Saúde levou às escolas de Itaguaçu, Antônio Eustáquio da Silveira (extensão) e Presidente Castelo Branco, a Campanha de Hanseníase e Verminose nas Escolas. A campanha faz parte de um projeto nacional desenvolvido pelo Ministério da Saúde e no município a  Secretaria de Saúde, visando mobilizar ainda mais os pais e professores, realizou o dia “D” da Campanha, promovendo palestras e avaliação dermatológica nos alunos com idade de 05 a 14 anos. “Nosso objetivo além de avaliar as crianças é orientar os pais, deixando-os informados do que está acontecendo, porque precisamos da autorização deles para podermos fazer a avaliação, disse enfermeira Maísa Araújo, responsável pelo posto de Saúde (ESF V) do Distrito. Maísa explicou que com a avaliação dermatológica, é possível identificar as machas na pele e no caso de suspeita de hanseníase, a criança é encaminhada para unidade de referência para que seja feita o teste de sensibilidade, se confirmado o diagnóstico é encaminhada para tratamento. O prefeito e médico Dr. Márcio Barbosa Vasconcelos, ressaltou que a estratégia no ambiente escolar, já é utilizada internacionalmente e comprovadamente reduz os custos do tratamento e potencializa os resultados da intervenção, pois proporciona excelente oportunidade de atingir maior número de estudantes em razão da agregação de crianças e adolescentes neste ambiente. A campanha pretende reduzir também os casos de verminoses (parasitas intestinais que podem causar anemia, dor abdominal e diarreia). Estes parasitas, quando presentes, prejudicam o desenvolvimento e o rendimento escolar da criança. O tratamento, feito por meio do medicamento Albendazol 400mg em dose única, é realizado após consentimento de pais ou responsáveis. Com relação à hanseníase, a identificação dos casos é realizada por meio do formulário de autoimagem, com perguntas sobre sinais e sintomas da doença e se há ocorrência de algum caso na família.  Este formulário deve ser preenchido pelos pais ou responsáveis, com a ajuda dos alunos, e devolvido em seguida à escola. Para a Enfermeira Maísa, é de fundamental importância que, ao aparecimento de manchas de qualquer cor e em qualquer parte do corpo, as pessoas procurem o serviço de saúde, principalmente se as manchas tiverem alteração de sensibilidade ao calor e ao toque, ou seja, se forem dormentes. “A hanseníase tem cura. Quando a pessoa começa o tratamento, a transmissão da doença é interrompida quase que imediatamente. Mas é imprescindível que os familiares sejam examinados”, alerta. A hanseníase é transmitida de pessoa a pessoa quando existe contato com o doente sem tratamento. A hanseníase tem cura, mas pode causar incapacidades físicas se o diagnóstico for tardio. O tratamento é gratuito e eficaz, com duração de seis meses a um ano.