folder dengue sao simao_FRENTE__aprovação

folder dengue sao simao_VERSO__aprovação

Segundo o ciclo do Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa), de março e abril de 2015, os principais criadouros do mosquito no Estado de Goiás são o lixo (48%) e os reservatórios de água ao nível do solo (17%).

Além dos dois criadouros, larvas são encontradas também em pequenos depósitos móveis, como vasos de plantas, bebedouros de animais e baldes (14%); pneus (10%); pequenos depósitos fixos, como calhas, lajes, vasos sanitários e ralos de banheiro (6%); criadouros naturais, como ocos de árvores, ocos em pedras e flores (3%); e reservatórios de água elevado (2%).

De acordo com a superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO), Maria Cecília Martins Brito, os índices de infestação identificados pela pesquisa são preocupantes, com 29 municípios em alto risco (infestação maior que 3,9%) e 100 municípios em alerta (entre 1 e 3,9%). “Esse resultado demonstra que mais do que nunca, os gestores municipais devem intensificar as mobilizações sociais no combate à dengue”, alerta.

Segundo a superintendente, os dois principais criadouros estão diretamente ligados à atuação da população (hábitos inadequados de descartes e acúmulo de água para consumo) e do poder público (coleta e destinação de lixo, limpeza pública e fornecimento de água).

“Isso deve ser levado em consideração pelos gestores municipais para desenvolverem estratégias de enfrentamento e ações educativas voltadas para a mudança de hábito da população”, considera.

Em São Simão, das iniciativas desenvolvidas pela secretaria municipal de Saúde para combater possíveis focos do Aedes Aegypti, estão os mutirões de limpeza promovidos em diversos bairros.

Segundo o secretário Fernando Prado Viana, o mutirão é uma das ações mais importantes das campanhas de combate à dengue. “Ele ajuda na retirada do lixo acumulado nas casas, eliminando possíveis focos e, ao mesmo tempo, promove conscientização para evitar a proliferação do mosquito”.

Em tom de convocação, o prefeito Dr. Márcio Barbosa Vasconcelos, afirmou que “é preciso jogar fora pratinhos, copos, garrafas, latas, pneus, sucatas, pequenas podas e outros recipientes que possam acumular água. Junte tudo num saco plástico bem fechado e deixe na porta de sua casa para que possa ser recolhido”.

O combate à dengue deve ser uma ação contínua, realizada todos os dias. Por isso, a secretaria de Saúde solicita que todos permitam a entrada do agente de saúde na sua casa e no seu local de trabalho, desde que devidamente identificado.